Apareceu a Margarida

Apareceu a Margarida

Sob direção de Bruno Garcia, Marília Medina vive a divertida professora cheia de contradições em Apareceu a Margarida.

O texto, um clássico do teatro contemporâneo brasileiro, com mais de 300 encenações em 30 diferentes países, discute de forma divertida as relações de poder por meio do jogo cênico estabelecido pela personagem-título e a plateia.

Silêncio! A professora acaba de entrar na sala de aula com seu tom de voz firme e cheia de certezas sobre matemática, biologia e até assuntos que fugiriam da grade curricular. Dona Margarida é louca? Muitos acham, mas a atriz Marília Medina defende: “Ela é uma personagem incrível, não gosto de julgá-la. Acho que Dona Margarida tem a lucidez de enxergar o que muitos não veem”. Neste jogo cênico os alunos são os espectadores, convidados a entender o que há por trás da série de impressões que aquela mulher tem do mundo, transmitidas aos alunos através de um humor ácido e crítico.

O monólogo, que aposta na percepção do público, na riqueza do texto e no trabalho de atuação, é um dos trabalhos mais prestigiados do teatro contemporâneo brasileiro. A primeira versão para os palcos foi protagonizada há 40 anos por Marília Pêra, com direção de Aderbal Freire FilhoDona Margarida de Bruno Garcia e Marília Medina segue como das montagens mais fiéis à essência da dramaturgia de Roberto Athayde.

A temporada carioca foi um sucesso de público e crítica, e é a primeira vez desta montagem na capital paulista.

“É um texto que nunca perde a atualidade, nunca fica datado. Foi o que percebemos no Rio, e é o que queremos mostrar para o púbico de São Paulo, levando à tona a reflexão sobre relações de poder, que estão cada vez mais atuais”, revela o diretor. Marília pondera que a obra provoca leituras abertas. “Encenamos o texto de uma maneira bem naturalista. Dona Margarida provoca os alunos quando sugere a passividade de alguns. São também reflexões sobre como agir dentro dos padrões e pensar fora da caixa”, pontua.

 

Na imprensa

“Hilariante metáfora do poder…”

“Marília Medina exibe um trabalho impecável” – Lionel Fischer – Tribuna da Imprensa

“Aula em que se ri do poder”

“O Humor, parte indissociável do texto, é acentuado na direção de Bruno Garcia – Macksen Luiz – Jornal do Brasil

“Marília Medina, magnífica” – Ida Vicenzia – Jornal do Brasil

margarida_b

Bruno Garcia

Bruno Garcia nasceu no Recife, em novembro de 1970. Como ator encenou as peças Hamlet, O Burguês Ridículo, Polaroides Explícitas, entre outras.  Dirigiu Que merda é Essa, Menon e, mais recentemente, O Livro de Tatiana.  Artista versátil, ele é bastante conhecido por papéis no cinema e na televisão. Entre seus trabalhos destacam-se os seriados A Grande Família, A Diarista e Sexo Frágil, as novelas Felicidade, Coração de Estudante, Kubanacan e Bang Bang, as minisséries Os Maias, Louco por Elas e Nada Será como Antes (todas pela TV Globo). No cinema atuou em O Auto da Compadecida, Lisbela e o Prisioneiro, Saneamento Básico, De pernas pro Ar 3, entre outros.

 

Marília Medina

Marília Medina começou sua carreira nos anos 80 excursionando pelo país por dois anos ao lado de Jorge Dória em A Presidenta. Atuou e produziu Lavanderia Brasil e também produziu Disk Ofensa, de Pedro Vicente, com direção de Bruno GarciaSua produtora assinou a versão brasileira dos espetáculos Haispray e Os Produtores. No cinema participou dos longas-metragens Mulheres do Brasil  e Verdades e Mentiras sobre o Sexo, além do curta-metragem Sildenafil, de Clóvis Melo, que lhe rendeu o premio de melhor atriz no Festival de Toronto. Na televisão, a atriz esteve nos seriados A Diarista e Brava Gente, nas novelas Força de um Desejo e Coração de Estudante. Seu último papel na telinha humorístico foi em Pé na Covatodos pela TV Globo.

 

Ficha Técnica

Autor: Roberto Athayde. Direção: Bruno Garcia. Elenco: Marília Medina. Direção de Movimento: Duda Maia. Direção Musical: Maurício Barros e Zé Luiz Rinaldi. Iluminação: Aurélio de Simoni Cenário e Programação Visual: Denis Netto. Figurino: Ticiana Passos. Direção de Produção: Luiz Prado

Horários: Sextas e Sábados às 21h e Domingos às 19h.

Temporada: 02 de junho a 23 de julho.

Classificação indicativa: 14 anos

Duração do espetáculo:75 minutos.

Postado em Em cartaz