Helenas

Tarde fria em São Paulo. Uma estagiária em um plantão psicológico. Uma paciente à beira da loucura. As duas entram na sala. As portas se fecham. Ao final de duas horas, 7 personalidades estiveram naquele espaço. A plantonista e as 6 HELENAS.

A paciente HELENA sofre de TRANSTORNO DISSOCIATIVO DE IDENTIDADE, uma condição clínica que ocorre quando o ego se fragmenta em diferentes personalidades.

Estamos falando do Espetáculo HELENAS – 6 personalidades de uma mulher, baseado em fatos reais.

Nos palcos, uma adaptação para o teatro do conto homônimo de Fernando Cipriano, presenciaremos uma mulher fragmentada em seis alter egos: a HELENA-NORMAL, HELENA FETAL A HELENA-VÍTIMA, A HELENA-NINFOMÂNIACA, A HELENA-LOUCA, A HELENA-CRIANÇA.

A peça é baseada em fatos vividos pelo próprio autor e sua equipe, quando coordenava um plantão psicológico. Fernando Cipriano, que além de psicólogo é professor-doutor e autor, conta casos extremos como os de Helena em seu livro A Mulher Lagarto e Outras Histórias. Cipriano se uniu ao Diretor Vir Amaral e adaptou a obra para o teatro.

“Acredito que é uma curiosidade do público saber o que acontece em casos extremos como esse. Abrir a porta da sala de um plantão psicológico é como abrir a porta secreta da mente humana”- ressalta Naiara Mota, produtora executiva do espetáculo.

O Transtorno Dissociativo de Identidade (TDI) é atualmente considerado um transtorno de stress pós-traumático (TEPT), o que significa que NOVENTA E CINCO POR CENTO das pessoas que apresentam a patologia SOFRERAM MAUS TRATOS ou VIOLÊNCIA SEXUAL na infância.

Por consequência do trauma que se instala na alma/mente da vítima, a pessoa cria DIVERSAS PERSONALIDADES, na tentativa de negar, esquecer ou elaborar o ocorrido.

Cada um dos alter egos possui características da personalidade construída: a Helena-criança possui voz de criança, gestos de criança, postura corporal de criança, pensamento de criança, afetividade de criança, interesses de criança. Já a Helena-louca pode ter convulsões ou ameaçar se atirar pela janela.

Nas palavras do autor: “Veja o que a mente humana é capaz de produzir, isso é um espetáculo! Veja como é bonito o funcionamento da mente e olha a necessidade de cuidar bem, não há outra escolha, a outra escolha é sempre de sofrimento, ou cuide ou sofra!

A peça faz parte de um projeto abrangente, uma vertente cultural do Instituto Fernando Cipriano. O Instituto tem quatro vertentes: Projeto Plantão psicológico; Projeto Apolo – Amor pelos animais;Projeto Promoção Cultural – Promoção Cultural; Projeto Saúde e educação – Assistência a famílias pobres.

“Ao menos no Brasil, desconhecemos precedentes na abordagem do tema, em nosso setor cultural”- ressalta Vir Amaral.

“Ou a gente aprende a CUIDAR BEM ou nós vamos ter que ficar fazendo as mesmas coisas erradas e ficar produzindo sofrimento permanentemente, é um clico. O nosso convite é para que cada um saia do seu próprio ciclo e se renove”- Conclui Cipriano.

O espetáculo entra em cartaz no dia 05 de Outubro ás 21:30 no Teatro Novotel Jaraguá, Rua: Martins Fontes, 71, Consolação.

TEMPORADA – 05/10/2018 Á 26/10/2018 – Sextas ás 21H30
VALOR DOS INGRESSOS: R$50,00 Inteira e R$25,00 Meia

Classificação Indicativa: a partir de 16 anos.
Autor: Fernando Cipriano
Adaptação: Fernando Cipriano e Vir Amaral
Direção: Vir Amaral
Produção Executiva: Naiara Mota
Elenco: Miriam Dumas, Rogério Favoretto, Mariana Sancar, Monique Almeida, Renata Figueira, e Guilherme Barros
Duração: 75 minutos

Postado em Em cartaz